NEOJIBA realiza projeto de iniciação musical no Subúrbio Ferroviário de Salvador

Publicado em: 29/06/2017
35042157840_a5434a0ea8_z

Vagas em aberto para iniciação musical de crianças de 7 a 11 anos 

Um grito de “boa tarde” ecoa de vozes infantis em uma das salas de aula do Colégio Estadual Marcílio Dias, em São Tomé de Paripe, às 13h30 de uma segunda-feira. Aos poucos, os cadernos de música se enchem de semínimas que formam as notas da música Ovelha de Maria. Desde o dia 22 de maio, cerca de 40 crianças do bairro e da região do Alto do Tororó têm aulas de iniciação musical e canto coral. O projeto é uma realização do programa NEOJIBA, com patrocínio da empresa M. Dias Branco.

No decorrer da aula, a sala é invadida por perguntas: “pró, está certo?”. Elisa Rangel, jovem multiplicadora do NEOJIBA, atende cada criança e confere se as anotações estão corretas em cada um dos cadernos. As cadeiras são reorganizadas em círculo, agora as crianças estão com seus instrumentos em mãos, as flautas. As notas mudam para a execução de Trem de Ferro. “Eu sempre quis tocar flauta. Gosto do som”, afirma Ananda Santos, 9 anos. Ela conheceu o instrumento através do desenho televisivo Kiriku, que narra uma lenda africana.

Marlon Cristiano, 12 anos, também conheceu a flauta por causa da animação. “Antes eu achava que música era chato, agora não mais”, conta o garoto. Ele também revela a preferência pelo contrabaixo: “toquei uma vez em uma peça da escola”.

Às 15h, as crianças da primeira turma saem e as do 2º horário chegam para a próxima aula. Há alguns metros de distância, na Associação de Moradores de São Tomé de Paripe duas turmas também têm aulas de iniciação musical com os jovens multiplicadores do NEOJIBA. Porém, às segundas, as crianças aprendem a usar um instrumento próprio: suas vozes. Clinton Cordeiro, integrante do Coro Juvenil, avisa às crianças que elas aprenderão uma nova música e ensina os primeiros versos de Minha Canção. O grupo acompanha a canção batendo palmas.

De acordo com Jorge Cruz, presidente da Associação de Moradores, a iniciativa é bem recebida pela comunidade. Ele espera que o trabalho seja tenha continuidade. Agda Rodrigues, mãe de João Pedro, compartilha a opinião. “Estou achando maravilhoso porque aqui no Subúrbio nunca houve nenhum trabalho voltado para a música”, afirma.

Agda fez questão de inscrever seu filho, João Pedro, 9 anos, no projeto. “O pai dele é cantor. Eu sempre quis cantar em um coral. Agora meu sonho está sendo realizado pelo meu filho”, ressalta. De acordo com ela, o suporte que o NEOJIBA fornece para João Pedro é importante, já que o garoto possui necessidades especiais. “Já recebi encaminhamento para levá-lo ao psiquiatra e ao terapeuta ocupacional”, explica.

De acordo com Elisa Rangel, a presença dos profissionais da área de Desenvolvimento Social do NEOJIBA no projeto é fundamental para o acompanhamento das crianças e suas famílias. Cláudia Pinheiro, assistente social, é a responsável por este trabalho. Além dos atendimentos realizados na Associação de Moradores de São Tomé de Paripe, dois dias na semana, ela visita as residências dos integrantes moradores da comunidade do Alto do Tororó. O objetivo desta ação é identificar as demandas das famílias beneficiárias do projeto e encaminhá-las para as políticas públicas e programas de assistência social oferecidos pelos governos nos âmbitos municipal, estadual e federal. “A comunidade vive um contexto de grande vulnerabilidade social. A taxa de desemprego é alta”, sinaliza Claudia.

Como participar 
Crianças com idade entre 7 e 11 anos podem participar. As inscrições são feitas de segunda a sexta, entre 13h e 17h, na Associação de Moradores de São Tomé de Paripe (Rua Benjamin de Souza, 11, São Tomé de Paripe). O responsável precisa apresentar a seguinte documentação: Identidade e CPF da criança, identidade do responsável, comprovante de endereço, comprovante de matrícula da criança na escola, número do NIS, cartão do SUS e foto 3×4.

Comentários